Archive for the ‘Sem categoria’ Category

seg
jul 13th

Criando atalhos no Git ...

Atualizado em 29/09/2009


Depois de algum tempo usando o Git sentimos a necessidade de automatizar algumas tarefas repetitivas, então a partir do momento temos consciência do que estamos fazendo, podemos criar alguns atalhos de comandos para agilizar o trabalho. Os exemplos abaixo funcionam tanto para quem usa Linux como para Windows.

Dentro do seu branch de trabalho utilize o comando:

git config alias.st status

Caso o comando tenha mais que uma palavra coloque entre aspas.

git config alias.lg "log --name-only"

A estrutura acima é a seguinte:

git config – Comando modificador, onde podemos informar também – -system (para todo sistema) ou – -global (para o usuário atual);
alias – Chave do bloco que será alterado;
.st e .lg- Nome do seu atalho;
status e log –name-only- O comando git para onde seu atalho irá apontar.

Então ao digitar “git st” obteremos o resultado abaixo:

$ git st
# On branch working
# Untracked files:
#   (use "git add ..." to include in what will be committed)
#
#       README
nothing added to commit but untracked files present (use "git add" to track)

Para ficar mais rápido, podemos alterar os arquivos de configuração acrescentando os atalhos diretamente ao bloco [alias].

No Windows os arquivos podem ser encontrados nestes caminhos:

1 - C:\Pasta_do_seu_projeto\.git\config
2 – C:\Documents and Settings\Seu_usuario\.gitconfig
3 – C:\Arquivos de programas\Git\etc\gitconfig

No Mac:

1 - /Pasta_do_seu_projeto/.git/config
2 – /Users/Seu_usuario/.gitconfig
3 – /usr/local/git/etc/gitconfig
Obs: Os arquivos de configuração do Git não tem extensão.

No Linux:
Crie um arquivo como sudo na pasta etc/ com nome de gitconfig e coloque os atalhos como informado abaixo.

Onde a configuração será aplicada na seguinte hierarquia:
1 – Apenas ao projeto.
2 – Para todos os projetos do usuário.
3 – Para todo sistema independente de usuário.

Eu particularmente adotei atalhos que achei mais intuitivos, cada um pode escolher o que melhor lhe convier.

[alias]
  st = status
  cm = commit
  bh = branch
  ck = checkout
  lg = log -p
  lg1 = log --name-only

Também podemos utilizar atalhos mais sofisticados como:

[alias]
  cmm = commit -a -m
  rbmt = rebase master
  mgwk = merge working
  pullom = pull origin master
  pushom = push origin master
  mt = !git checkout master && git status
  wk = !git checkout working && git status
  inicia = !git checkout -b working

Desde que entendamos o que está se fazendo, não há limites para criar estes atalhos.

seg
jun 29th

Uma grande semana no FISL 10 ...

Com a presença de mais de 8 mil pessoas, e grandes nomes como Richard Stallman, fundador do Movimento Software Livre, Jon “Maddog” Hall Presidente fundador da Linux Internacional, Peter Sunde um dos fundadores do The Pirate Bay, Chris diBona responsável pelo Software Livre no Google, Chris Hofmann diretor de engenharia e projetos especiais da Mozilla Foundation, Nick Nguyen responsável pelos Add-ons Mozilla, entre outros, o FISL 10 foi um grande sucesso, contando até com a presença de nosso Presidente Luís Inácio Lula da Silva.

FISL 10

Em resumo, com palestras de diversos níveis técnicos e didáticos, das quais tive a oportunidade de acompanhar, destaco as seguintes:

A grande lição que transmito com esta jornada, vai além dos conceitos técnicos, a vivência e adquirição de conhecimento trazidos das palavras comunidade, comunicação e colaboração, mostram que o ponto principal a ser focado é a cultura, então seja no desenvolvimento de software, seja na aplicação de metodologias ágeis ou na vida em geral, compartilhe o conhecimento, exponha suas idéias, seus códigos, pois a humanidade não só ganha com isso, mas ela evolui. Então, eis algumas dicas:

Não importa o seu nível de conhecimento – sempre existirá o experiente, o intermediário, o iniciante e o curioso, então compartilhe o que você sabe, crie um blog, participe de fóruns, contribua com algum projeto de código aberto (open source), nem que seja para informar que uma tradução não está correta, que faltou um ponto ou uma acentuação, pois desta maneira você contribuirá para que um curioso se torne um iniciante, um iniciante se torne um intermediário e assim por diante;
Documente suas dificuldades – quando sentir alguma dificuldade na resolução de um problema, na melhorar maneira de aplicar um padrão de projeto, documente como você resolveu e publique seus passos, pois esses passos poderão contribuir para que outros alcancem o mesmo resultado de forma mais rápida;
A melhor forma de aprender é ensinar – seja voluntário, ao explorar uma nova ferramenta, tecnologia, conceito, compartilhe com seus colegas, passe a informação adiante, faça uma apresentação, monte um grupo de estudos. Com certeza o maior beneficiado com isto é aquele que compartilha, pois enraíza o conhecimento;
E por fim comunique-se – e-mail, twitter e afins, são excelentes ferramentas, mas eu falo de comunicação olhos nos olhos, pergunte o nome do colega ao seu lado, do vizinho à sua frente, sim, aquele que talvez trabalha a anos no mesmo ambiente que o seu, mas você sequer conhece o timbre de voz dele. Descubra com qual tecnologia ele trabalha e se existem formas de ambos se ajudarem, de contribuírem para algo melhor. A comunicação é o elo entre comunidade e colaboração, e ela pode resolver problemas numa velocidade muito maior que qualquer e e-mail, sms, mensagem, etc.