mar
08

Facilitando o trabalho com Git ...

No dia-a-dia utilizar recursos das ferramentas certas ajudam a agilizar nosso trabalho, tratando-se de controle de versões o Git tem diversos truques interessantes. Vou resumir de forma rápida alguns comandos que utilizo diariamente, a idéia é concentrar aqui novas dicas que forem aparecendo, então sugestões são bem vindas.

INSTAWEB

Um dos comandos mais úteis e interessantes que tenho utilizado ultimamente para fazer revisão de código ou para ter um histórico do projeto é o “instaweb” que inicia um servidor local onde podemos navegar (http://127.0.0.1:1234/?p=.git;a=shortlog) pelos commits e verificar as diferenças do repositório de uma forma bem simples e clara. É importante lembrar que ao subir o serviço o terminal fica liberado sendo necessário parar o servidor após utilizar senão o processo continuará “rodando”.

git instaweb --httpd webrick
git instaweb --httpd webrick --stop

STASH

O comando “stash” é útil quando estamos trabalhando em algum código que ainda não está concluído e precisamos atualizar o projeto com as últmas atualizações, então colocamos nossas alterações em área isolada com git stash, atualizamos o projeto e aplicamos novamente nossas alterações com git stash apply. Exemplo:

git stash
git stash apply

AMEND

O comando “amend” é utilizado para corrigir ou re-editar a mensagem do último commit desde que ele não tenha sido enviado para o repositório. Exemplo:

git commit -m "Alguma mensagem errada"
git commit --amend -m "Correção da mensagem"

GREP

Com “grep” encontramos palavras dentro dos arquivos do projeto, combinado com -n é possível saber em qual linha a palavra ou o conjunto delas foi encontrado.

git grep -n "palavra ou frase procurada"

RESET

Reset pode ser utilizado basicamente para duas situações, uma delas é desfazer um commit mantendo as alterações realizadas no código com “–soft” e para desfazer um commit completamente incluindo as alterações com “–hard”. Exemplo:

git reset --soft HEAD~1
git reset --hard HEAD~1

LOG

Temos diversas formas para verificar os logs de commits do projeto, abaixo alguns tipos de formatações para exibí-los. O último “shortlog” mostra a quantidade de commits do projeto.

git log --pretty=oneline --graph --all
git log --pretty=oneline --abbrev-commit
git whatchanged -n 1
git shortlog -s -n

Para complementar, uma dica para mostrar o branch atual no terminal. No arquivo ~/.bashrc no Ubuntu ou ~/.bash_profile no MacOS inclua as linhas abaixo, feche o terminal e abra novamente para que as alterações sejam aplicadas.

export PS1="\[\033[38m\]\u\[\033[32m\] \w \[\033[31m\]\`ruby -e
\"print (%x{git branch 2> /dev/null}.grep(/^\*/).first ||
'').gsub(/^\* (.+)$/, '(\1) ')\"\`\[\033[37m\]$\[\033[00m\] "

O terminal ficará assim:

user ~/projects/blog  (master) $

Referências:
http://gitready.com/
http://book.git-scm.com/
http://learn.github.com/p/intro.html
http://book.git-scm.com/4_tracking_branches.html
http://cheat.errtheblog.com/s/git
http://book.git-scm.com/4_ignoring_files.html

5 Responses to “Facilitando o trabalho com Git”

  1. Uma pequena correção, o amend não é apenas para trocar a mensagem do último commit. Na verdade ele altera o ultimo commit e a mensagem é apenas uma das coisas que podem ser mudadas.

    Você também pode modificar o código, porém tem que lembrar de antes rodar um git add/rm no que mudar.

  2. Mauricio Amorim Says:

    Realmente a correção da mensagem é apenas a parte mais trivial, a possibilidade de modificar o código do último commit e corrigir algo que acabou passando batido é a grande sacada deste comando.

    Valeu Tapajós, abraços.

  3. Bem útil o post. Simples, direto e exemplificado.

    Achei muito legal a dica para mostrar o branch. Resolvi colocar isso no script afterFormat (http://github.com/hugomaiavieira/afterFormat) que fiz para Ubuntu 10.04, mas vi que você usou o ruby para pegar o nome do branch. Como tem gente que pode não querer instalar o ruby, fiz uma versão com shell para ficar mais genérico:

    export PS1=”\[33[36m\]\u \[33[33m\]\w \[33[34m\]\`branch=\$(git branch 2> /dev/null | grep \”\* .*\” | grep -Pwo \”.*\”) && test -n \$branch && echo \”(\$branch) \”\`\[33[00m\]$ ”

    Troquei as cores também para não confundir com o vermelho e verde dos testes.

    Abraço!

  4. Mauricio Amorim Says:

    Hugo, excelente! Parabéns pelo AfterFormat e também pelo seu blog. Obrigado pelo comentário e contribuição.

    Abraço!

Leave a Reply